Comércio Justo ou Comércio Menos Injusto?

O termo justiça (do latim iustitia) se refere à igualdade entre todos os cidadãos. É a busca pela preservação e garantia dos direitos, legalmente ou litigiosamente falando. Em outras palavras, é buscar igualdade nos direitos dos cidadãos, seja através da lei, seja através de uma convenção social, do hábito.

Para Aristóteles, justiça representa tanto legalidade quanto igualdade. A partir deste pensamento podemos tentar compreender o Comércio Justo como processos comerciais que ocorrem de acordo com a lei, mas buscando a igualdade entre todas as partes que estão envolvidas.

Promover e atuar dentro dos princípios do comércio justo, então, significa tratar os indivíduos envolvidos em um processo comercial com igualdade, respeito, transparência. Na maioria dos processos comerciais o elo mais frágil ou menos beneficiado é aquele que tem menor conhecimento ou que tem menor poder de barganha.

Quando falamos em conhecimento, não nos referimos ao conhecimento do processo produtivo, ou a compreensão de como funciona o sistema capitalista de troca de bens e serviços. Referimo-nos a ter menos acesso às questões legais, burocráticas ou técnicas de uma comercialização, o que torna vulneráveis aqueles que se dispõem a produzir e vender os frutos de seu trabalho seja no setor agropecuário, artesanato ou confecções.

Ao citarmos o poder de barganha, como uma fragilidade dos produtores e artesãos, nos remetemos ao poder que compradores e intermediários têm em negociar o valor monetário a ser pago pelos produtos sem uma análise do processo de produção, dos custos, das peculiaridades do artesanato e da agricultura familiar – negociar focando apenas no valor do produto para o mercado, e não para a fonte.

O Comércio Justo pressupõe que o conhecimento técnico (ou a falta dele) não deve ser utilizado como forma de aprisionar o produtor ou artesão à empresa que se propõe a fazer o papel de intermediário. Aqui, devemos deixar claro que a intermediação só deve ocorrer quando necessária, e com um papel claro.

Além disto, na medida em que o processo de comercialização ocorre com freqüência o intermediário deve utilizar-se da transparência e do empoderamento para transferir este conhecimento técnico ao produtor e artesão. Transparência que permite ao produtor saber para onde, por quanto, como, e por quanto tempo seu produto está (estará) sendo vendido. Empoderamento que dará ao artesão o poder de decidir se permanece utilizando-se dos serviços daquele intermediário ou se assumirá o controle e a operacionalização do processo.

Intermediário não é atravessador: é um parceiro que executa etapas em um processo de comercialização, com o conhecimento e anuência do produtor e artesão, e de forma totalmente transparente.

Porém, o mercado onde atuam as empresas, sejam elas de qualquer natureza, ainda é aquele que conhecemos sem a justiça almejada pelo Comércio Justo. O processo de revisão e transformação do sistema capitalista ainda não alcançou a base produtiva em todos os aspectos que acreditamos ser necessários, o que provavelmente demorará a acontecer, se acontecer.

Justiça, legalidade. A partir de uma práxis comercial não é possível alterar o sistema legal, a burocracia, de forma rápida como desejamos. Justiça, igualdade. Só a partir da sensibilização do consumidor final e dos varejistas, da disseminação desta necessidade de mudança que o Comércio Justo triunfará. Para além da sensibilização, será necessária a compreensão, intenção, o desejo de mudar.

Por esta razão, as empresas que se encontram neste passo mediano, os parceiros intermediários, devem optar por uma postura e uma forma de atuação que seja referência de um modelo ideal. Devemos transferir o conhecimento técnico aos grupos, permitir que eles sejam parceiros por opção de se dedicar à produção. Devemos negociar, mas nunca barganhar. Nesta negociação, estudar como foi definido o preço por parte do produtor, e analisar soluções para que estes custos sejam reduzidos, quando possível. Mas nunca simplesmente impor a lei de mercado.

O atual Comércio Justo, que ainda é percebido e visto por muitos produtores, artesãos e pelos próprios consumidores como apenas um comércio “menos injusto”, somente alcançará as mudanças de postura e de processos a partir deste esforço das empresas que se colocam como pioneiras e como modelo do Comércio Justo no Brasil.

Um comentário em “Comércio Justo ou Comércio Menos Injusto?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s